domingo, 16 de abril de 2017

Torvelim



Um fio no mar da existência
Deixa os votos ao aprendiz

Para que ele saiba
Que a vida nada seria
Sem a morte por um triz

Basta-nos ter
A sorte do sorriso
Em prefácio do gargalho

Mesmo que
Sem perceber num desatino
O ato falho

Arma brecha pra tristeza
Deixa a alma em frangalho

A perder-se a coincidência da risada
Pra viver a morte ainda em vida

O preceder da despedida

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Que chova


Vamos suspender o verão

Para navegar nas nuvens
com navios de imaginação

Vamos todos fundar um País

Para decretar guerra a quem
um dia partiu algum coração

Vamos destituir todas as rimas

Para que este poema 
se aloje em alguma boa recordação