terça-feira, 6 de março de 2012

O fim

Passa por um caminho estranho
de folhagens que eu já vi.

Em horario corriqueiro
com solzinho sem calor.

Sacolejo que não incomoda
mais a roda e nem a mim.

Um comentário:

  1. E assim se segue o caminho que poderá se abrir.Belo poema amigo.

    ResponderExcluir