domingo, 30 de março de 2014

Ao sair de órbita



Fiz um último poema
para dizer a todos
que perdi a poética
e que a realidade
me corroí

E a culpa é toda minha
hoje eu sou apenas
osso e carne



Um comentário:

  1. Do osso do poeta as palavras movem todo o corpo.

    ResponderExcluir