quarta-feira, 25 de maio de 2011

Abre-Alas

A quem quer que seja,

sou.

Praça que da janela assisto
essa de alguns sentimentos,
olhos da alma sentinela.

Remanescente,

perspicácia condescendente
à frieza da era quente
na terra que outra vez se afogará.

Acrônico,

atento moral que busca
em triste ranger de dentes
cruzar a cordilheira do medo.

Descentende,

não tenho sorte em mente
nem busco em algum parente
mas confesso que sou carente

do amor.

22 comentários:

  1. Adorei vir aqui. Amo Poesia. Li e reli alguns textos. Lindos demais. Gostei,mesmo. Voltarei com mais demora para apreciar seu canto maravilhoso. Saúde e alegrias duradouras. Já te sigo. Tô dentro!
    Abraços,
    joão,poeta.
    Me visite o blog quando puder. E se quiser me adicionar, vou gostar muito.

    ResponderExcluir
  2. Creio que somos todos um pouco ...



    Bjo.

    ResponderExcluir
  3. cada um de nós carrega uma certa carência,por menor que seja!
    Poema mais profundo e instigante esse,Leo ;)
    Obrigada pela visita,
    gostei daqui,e já sigo.
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Leonardo Batista. Vc me visitou. Que bom!! fiquei super feliz em te-lo como meu seguidor.
    E vim retribuir-lhe a visita. E vou aportar-me por aqui como sua seguidora.
    Não em agradecimento, mas sim,. porque adorei sua poesia e sua sensibilade. Li apenas um poema seu, lerei outros com mais tempo..e só pelo que li, imagino o poeta que tu és!
    Um abraço,
    Ma Ferreira
    Eu posto diariamente. Tendo um tempinho..apareça..

    ResponderExcluir
  5. acalma-te, logo ele te encontra... o amor!


    =)

    bjsmeus

    ResponderExcluir
  6. Amei os textos *-* Sigo também. Muito obrigada!

    ResponderExcluir
  7. own obrigada por ficar, gostei muito daqui e espero que ainda voltes muito em meu canto! beijos

    ResponderExcluir
  8. É claro que podes ficar!

    Fica, fica perto!

    Bjos.

    ResponderExcluir
  9. Gostei muito de seu estilo. É sempre uma alegria visitar e retribuir visitas.
    Ah!!!!! carência! Por mais que recebamos afeto, há sempre um pequeno lugar onde ela quer se instalar.

    ResponderExcluir
  10. Escrita linda, atravessou minha vida esse poema!
    parabéns vou acrescentar-me em seu blog
    Abraços e aplausos

    ResponderExcluir
  11. Olá Leonardo, desejo que tudo esteja bem contigo!
    E por cá venho, nem tanto por retribuição, bem sabes que o gostar de ler nos faz ter esta compulsão, ou talvez não, mas então, confesso que li apenas dois belos textos, não desgostando dos demais, mas sim por este senhor chamado tempo a me vigiar de nodo voraz!
    Difícil alguém não gostar destes teus belos escritos, que com sensibilidade, descreve em belas e simples palavras, porem expressivas, a nobreza que é sentir amor! Ainda que seja a falta!
    Creio que somente não é carente de amor aquele que nega a si mesmo, pois é um sentimento que sempre estamos a desejar!
    Agradecido por compartilhar tão belo texto, e também pela gentil e ilustre visita ao meu humilde cantinho de pretensos versos, eu desejo a você e todos ao redor intensa felicidade, um grande abraço, e até mais!

    ResponderExcluir
  12. Todos nós nascemos com essa carência do amor nas veias...
    Te sigo.
    Namastê!

    ResponderExcluir
  13. Parabéns pelo teu blog... adorei ler... é lindo!**

    ResponderExcluir
  14. Seja bem vindo ao meu grande coração.

    Abraço meu.

    ResponderExcluir
  15. Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através do Blog rosa solidão. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. Estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs

    Narroterapia:

    Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.

    Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

    Abraços

    http://narroterapia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. Oi, Leonardo!

    Valeu pela visita que me trouxe aqui. Adorei!
    Bj

    ResponderExcluir
  17. "mas confesso que sou carente

    do amor."

    ...Muito isso.

    Tenha uma ótima semana!

    Bjo bjo

    ResponderExcluir
  18. Nossa muito lindo!

    Tenha um bom dia, abraço.

    ResponderExcluir
  19. El amor es un ave..libre..pero si lo cuidas le das ariño de verdad..se quedará contigo..hasta el final..me encantó tu recinto..volveré
    Te saludo desde Cali-Colombia

    ResponderExcluir
  20. Leonardo.. que bonito.. Praça que da janela assisto essa de alguns sentimentos,olhos da alma sentinela. Gostei demais!!

    ResponderExcluir