sábado, 7 de abril de 2012

Ao ser breve:

Eu te amo, mas preciso ir.
É logo ali, eu prometo.
Em breve eu voltarei para
te ter de novo, para te apertar
até que as nossas forças se cessem,
até que não caiba mais em nós
o que já não cabe em ti.
Aguenta teus olhos, segura esse
teu  sentimento, até que eu te diga
 a hora de amar novamente.
Eu te amo, mas não cabe a mim,
 me enjaular de uma só vez em você.

12 comentários:

  1. Está maravilhosamente lindo!! :)

    ResponderExcluir
  2. Agora escreve um post para eu parar de chorar! Lindo e intenso! Abraço apertado.

    ResponderExcluir
  3. Saudações quem aqui posta e quem aqui visita.
    É uma mensagem “ctrl V + ctrl C”, mas a causa é nobre.
    Trata-se da divulgação de um serviço de prestação editorial independente e distribuição de e-books de poesia & afins. Para saber mais, visitem o sítio do projeto.

    CASTANHA MECÂNICA - http://castanhamecanica.wordpress.com/

    Que toda poesia seja livre!
    Fred Caju

    ResponderExcluir
  4. Você é incrível.
    Sua despedida é linda.

    ResponderExcluir
  5. Que bonito!
    As despedidas fazem parte da minha vida. Mas maior do que a tristeza sentida nesse momento,cada vez que me separo dele, é a alegria de saber que em breve irei voltar a abraçá-lo!

    ResponderExcluir
  6. Gostei do blog!!

    Visita o meu e dá tua opinião: http://oblogdeumhomem.blogspot.com
    Abraços!

    ResponderExcluir
  7. Caro amigo Leonardo Batista. Escrevo sobre políticas públicas e seus bastidores, porém ao ler seus poemas, sentir vontade de postar “Ao ser breve”, para uma pessoa especial. – Parabéns! Já, te sigo.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Esse amor não cabendo te faz bem mais alguém.

    ResponderExcluir